Experiência de Fé do Mês

Sr. Luís Sérgio Ferreira - Sede Central - dezembro de 2019

Data: 02/12/2019
Por: Sr. Luís Sérgio Ferreira
Editoria: Experiência de Fé do Mês

Bom-dia a todos!

Meu nome é Luís Sérgio Ferreira, tornei-me membro em novembro de 1969 e sou integrante da 3ª turma de seminaristas. Hoje quero compartilhar minha gratidão pelo milagre que Deus e Meishu-Sama me concederam e pela assistência que recebi de todos os senhores e senhoras.

No segundo semestre do ano passado, comecei a sentir fraqueza, dores nas pernas, cansaço e inapetência. Não conseguia parar em pé, só emagrecia e não tinha ânimo para fazer nada: trabalhar, passear e viver. Emagreci aproximadamente cerca de 15 quilos em cerca de dois meses.

No dia 3 de novembro o gastroenterologista identificou na ultrassonografia uma grande lesão no fígado e me encaminhou a um hospital que o plano de saúde cobria, começando os exames.

A partir do dia 5, iniciou-se uma maravilhosa e gratificante assistência de Johrei.

A colonoscopia revelou um adenocarcinoma no sigmoide com necessidade de cirurgia imediata, e a tomografia mostrou uma metástase no fígado medindo 17,5 cm.

Materialmente estava sendo atendido em um dos melhores hospitais do Brasil, por uma renomada equipe, com um cirurgião especialista do trato digestivo.

Graças ao Johrei, nos últimos cinquenta anos não tivera nenhuma doença, meu corpo físico reagia a purificações de gripe de forma natural, sem nenhum tipo de medicamento.

Fui operado no dia 13 de novembro, e o cirurgião veio ao quarto expressar sua satisfação com o resultado e confirmar que a cirurgia fora um sucesso e o intestino estava limpo.

Havia a possibilidade de eu precisar usar uma bolsa de colostomia, mas, graças a Deus, isso foi descartado.

O médico confirmou que o tumor estava concentrado em um só lugar e se admirou como meu corpo respondeu às drogas aplicadas. Expliquei a ele que há décadas não tomava medicamentos.

A assistência de Johrei continuou, e as enfermeiras disseram que nos sete andares do hospital nenhum quarto recebia tantas visitas como o meu.

Tive a permissão de receber Johrei com o presidente, com os diretores e reverendos, com os gestores, com os ministros e com os funcionários da Sede, além dos membros dos Johrei Centers. Todas as visitas foram anotadas em um caderno.

Nos dois meses de internação, enfrentando a fraqueza física e a depressão, só o Johrei e o sorriso e a motivação das pessoas que me visitavam é que me davam forças.

Passei o Natal e o ano-novo no hospital, acompanhado de minha incansável esposa, de minha irmã, que veio da Itália, e da enfermaria, dedicada e sempre atenta.

Restava a metástase no fígado, medindo 17,5 x 9,7 x 14,2 cm e grudada na veia que irriga o fígado, espalhando-se por três dos oito setores do órgão.

Foi iniciado o tratamento quimioterápico, fui para casa em janeiro de 2019 e, em fevereiro, a quimioterapia terminou.

Um pioneiro, um senhor japonês, baixinho, de 90 anos de idade, vinha a pé ministrar-me Johrei no hospital. Eu não podia ficar passivo diante dessa "lição de Meishu-Sama" e passei a frequentar mais o Johrei Center.

Um dia, participando do culto mensal, chorei de gratidão ao rever as pessoas que me visitaram no hospital e me prestaram assistência.

Em nova tomografia, a metástase, para surpresa dos médicos, desgrudou-se da veia principal e diminuiu para 7,5 x 2,8 x 3,7 cm, possibilitando a cirurgia do fígado. A cirurgia foi realizada no dia 30 de julho de 2019 e durou nove horas. Foram retirados 3 setores com tumor.

Logo no dia seguinte, fui desentubado e iniciei uma recuperação progressiva, graças à assistência de Johrei. Além disso, estou fazendo dieta sem proteína animal para melhor suporte à regeneração do fígado.

Quando estava internado, eu me perguntava: por que estou passando por essa purificação? O que preciso mudar para continuar servindo à Obra Divina?

Internado, na solidão do quarto, muitos pensamentos passaram pela cabeça, entre eles o de arrependimento por ter negligenciado o Johrei.

Há quarenta anos, quando estava no seminário, um reverendo do Solo Sagrado de Hakone, sem me conhecer, disse: "Receba bastante Johrei no fígado", mas não levei muito a sério aquela orientação.

Sentia profunda gratidão pela permissão de, junto a meus antepassados, poder renovar minha fé neste Ano Messiânico do Servir e fazer parte da Obra de Construção do Paraíso Terrestre.

Em uma das vezes que o Presidente foi me visitar, tarde da noite, ele pegou minha mão e apertou-a, lembrando o amor que, em vida, Meishu-Sama dava aos seus servidores.

Saibam que, depois que ele saiu, senti a circulação do sangue esquentar e aquecer meu corpo. O intestino, que não estava funcionando, funcionou sem medicamentos.

Nunca me esquecerei disso. Outro dia, recebendo Johrei de meu superior, senti vontade de dizer: "Acho que eu poderia ter sido uma pessoa melhor!" Aí ele respondeu: "Você não morreu ainda" e me fez ver que poderia escrever uma nova história.

Com esta purificação, mudei minha visão sobre o significado do Johrei e do Johrei Center. Passei a "buscar Johrei", e não apenas a "receber Johrei", agora com outra consciência.

Passei a reconhecer o amor que Meishu-Sama deposita nos membros dos Johrei Centers e como eles se esforçam, todos os dias, para expandir a Obra de Meishu-Sama com suas assistências religiosas e dedicações.

Sou integrante da Igreja há quarenta e quatro anos. Antes, eu dedicava o dia e a semana toda na Sede Central, chegava cansado em casa, no fim do dia e achava que minha missão com Meishu-Sama estava cumprida.

Agora tenho maior consciência de que o que faço em minha função não é apenas um trabalho remunerado, mas sim uma permissão concedida pelo Supremo Deus e uma missão outorgada a mim e a meus antepassados para servir ao próximo e cumprir minha missão.

Como sacerdote, minha missão é transformar rudeza, insensatez, nervosismo e antipatia em docilidade, cordialidade, paciência e simpatia para poder representar Meishu-Sama neste mundo. Esse é meu trabalho principal.

Participando do culto matinal, como faço há quarenta anos sem faltar, ouvi Meishu-Sama ensinar:

(...) Algumas coisas parecem ser predestinadas. O plano para esta vida é estabelecido pela maneira como pensamos e agimos em encarnações anteriores.

Não obstante, esses planos preestabelecidos podem ser modificados para melhor ou para pior, dependendo da maneira como vivemos agora.

Nossos infortúnios podem ser reduzidos e mesmo eliminados com a assistência de Deus, mediante nossa dedicação em obediência à Sua Vontade.

Levando-se uma vida dedicada, o espírito de uma pessoa acabará ocasionalmente alcançando o ponto em que os infortúnios físicos são reduzidos a meros sonhos maus, ou mesmo completamente eliminados.


EXPLICAÇÃO DOS INFORTÚNIOS E ACIDENTES - Caderno de Leitura Diária - out-nov/19

Foram realizadas doze sessões de quimioterapia e cinco, de radioterapia. Todavia, o que me deu mais força e paz espiritual para suportá-las foram os 1.000 Johrei que tive a permissão de receber.

Não foram Johrei normais de 15 minutos: os mais curtos foram de meia hora, a maioria foi de uma hora ou mais. Então, dá para dizer que foram quase 1.000 horas de Johrei.

Este é o sentimento com que falo a todos: de eterna gratidão! Muito obrigado!

Aos poucos venho retomando a força física e desejo continuar servindo à Obra Divina, com todos os senhores. Agradeço a meus superiores as orientações recebidas, à minha esposa e família e a meus antepassados por me conduzirem neste processo. Ao mesmo tempo, continuo contando com suas orações.

Renovo meu sentimento de gratidão a Meishu-Sama por ter tido a vida salva e reafirmo meu compromisso de me tornar seu ativo instrumento para a felicidade das pessoas. Acho que meu formulário do Natalício de Meishu-Sama vai ter muito mais que uma página!

Muito obrigado, Deus e Meishu-Sama!

fonte: https://revistaizunome.messianica.org.br/item?id=1150